Maat - Deusa do equilíbrio e da verdade

Leave a Comment

Maat - Deusa do equilíbrio e da verdade | Wicca, magia, bruxaria, paganismo, Deusas

Atribuições: Deusa da harmonia, da justiça e da verdade
Símbolos: Pena de avestruz
Local: Egito

Maat é a Deusa egípcia que personifica a força que move as estrelas, as estações do ano e as ações dos Deuses e mortais, desde o momento da criação do mundo a partir do caos.

Também conhecida como Mayet, ela é filha de Ra e esposa de Thoth. Essa Deusa representa o princípio de moralidade e ética que todo egípcio deveria seguir diariamente, agindo sempre com honra e verdade quando a situação envolvia família, a comunidade, a nação, o ambiente e os Deuses.

A força contrária a ela, é chamada de Isfet, ou o próprio caos. Os antigos habitantes do Egito consideravam que tudo além do Nilo era caótico, enquanto na área ao seu redor prevalecia a ordem. Juntas, essas duas forças traziam balanço ao mundo em que o povo vivia, sendo partes importantes de seu dia a dia. O termo Isfet, em si, representa o dualismo em que a vida egípcia era tão fortemente baseada.

Além de seu papel no equilíbrio do universo, ela tem a responsabilidade de fazer a “pesagem” das almas (ou “pesagem” do coração) no submundo, conhecido como Duat. Sua pena era usada como a medida que determinava se as almas dos mortos alcançariam o paraíso no pós vida.

Essa Deusa normalmente é retratada como na forma de uma mulher em pé ou sentada, com asas saindo de seus braços, assim como Ísis. Às vezes pode ser vista segurando um cetro em uma mão e uma ankh (símbolo da vida eterna) em outra, mas sempre com a pena de avestruz em sua cabeça. De fato, em representações menos frequentes, ela não possuía cabeça, e somente a pena estaria em seu lugar. Esse aparato é o símbolo de todo o seu ser, a representação de ordem e balanço, e também um hieróglifo para “verdade”.

A antiga lei


Maat era associada com a justiça e a lei no antigo Egito. A partir da 5ª dinastia (por volta de 2510-2370 AEC), o conselheiro responsável por julgamentos era chamado de Sacerdote de Maat, e também carregava a pena em sua cabeça como sinal de autoridade judicial, simbolizando que seu julgamento possuía veracidade e justiça.

Ele também possuía o desenho da pena desenhado em sua língua com tinta verde, pois assim ele só falaria a verdade. O Sacerdote decide todo julgamento terreno de acordo com a natureza da lei que havia sido violada, com punições que iam de castigo corporal a pena capital.

Eram crimes considerados contra Maat, casos de inveja, desonestidade, gula, injustiça, preguiça e ingratidão e o egípcio culpado pelo crime era considerado violador do espírito da Deusa, necessitando de um outro julgamento no submundo durante a cerimônia de pesagem no salão das duas verdades.

Siga e ouça gratuitamente Trismegistia no Spotify



Invocando Maat

Lembrete:
Dentro da Wicca não existem regras e nem receitas prontas para invocar nenhuma Deusa. O ritual de invocação parte de dentro de cada um. Porém, ao vermos os mitos e símbolos de cada Deusa, podemos sugerir formas de invocá-las. Lembre-se também de checar nosso Calendário para datas festivas, eventos e curiosidades.
Podemos fazer ritual para esta Deusa em um momento onde falte equilíbrio ou justiça em nossa vida. Maat é o próprio karma, e com um pedido sincero de devoção, trará ajustes necessários aos nossos dias.

Itens necessários: 

  • 1 pena 
  • 1 ankh 
  • Óleo de rosa ou sândalo 
  • 1 vela branca 
  • Incenso (alecrim, rosa branca ou sândalo)
  • 1 Ametista 
  • Localização dos pontos cardeais 

Arrume seu altar e purifique-se da maneira habitual, já mentalizando os objetivos que deseja alcançar. Encarando o leste, acenda a vela e coloque-a no centro do seu altar. Pegue a pena e passe-a pelo corpo, tocando especialmente o topo da cabeça, a testa, o coração, as mãos e os pés. Esse é um momento de crescimento e renovação.

Pegue o incenso aceso, e deixe a fumaça passar pelos mesmos pontos no corpo.

Pegue a ankh com sua mão dominante e a ametista com a mão receptiva. Fique de maneira confortável e sinta a Deusa, visualizando-a com seu terceiro olho. Você pode falar em voz alta ou somente mentalizar as situações que você deseja que a Deusa lhe ajude a trabalhar. Tenha certeza de conversar honestamente com ela, sobre como se sente o que gostaria que mudasse, dando todos os detalhes que puder.

Pare, escute, e não descarte as ideias que lhe virão à mente. Quando achar que já tem a solução, curve-se e agradeça a Deusa. Passe um pouco do óleo de rosa ou sândalo na região do terceiro olho e medite sobre os passos que tomará para que o equilíbrio retorne à sua vida. Feche o círculo e agradeça a Deusa novamente e deixe a vela queimar por inteiro.

Agora, sempre que sentir que precisa da ajuda de Maat, basta segurar a ankh e a ametista nas mãos que ela virá até você.